Ir para o conteúdo

Prefeitura de Tapes e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura de Tapes
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
25
25 NOV 2022
Prefeito em exercício participa de Audiência Pública que debateu novos pedágios
Foto Noticia Principal Grande
Foto: Tito | Gab. Dep. Zé Nunes
enviar para um amigo
receba notícias

Na noite da última quinta-feira, 24, foi realizada no município de Camaquã uma Audiência Pública que discutiu o modelo de pedagiamento previsto para a BR-116 entre Camaquã e Porto Alegre.

Presente na reunião, o prefeito em exercício de Tapes, Eduardo Simchen, declarou que o aumento do número de praças significa um golpe nos municípios da região, que trabalham para atrair novos investimentos e turistas. “Com mais pedágios, vamos riscar a possibilidade de receber novas empresas e abrir novos postos de trabalho de nossas perspectivas. Temos que lutar contra este modelo”, conclamou.

Com a intenção do governo federal de implantar mais cinco praças na BR-116 (uma a cada 30 quilômetros), a comunidade regional acendeu o sinal de alerta. Três delas deverão ser instaladas em Camaquã, Barra do Ribeiro e Eldorado do Sul, e duas estarão posicionadas em locais estrategicamente escolhidos para evitar rotas de fugas e obrigar o motorista a pagar tarifa.

Outra liderança da Costa Doce que se posicionou contrária a implantação de novas praças de pedágio foi o deputado estadual, Marcus Vinicius Vieira de Almeida, do Progressistas. "Os pedágios da maneira como foram desenhados simbolizam o "sepultamento" de várias cadeias produtivas da nossa região, o turismo é impactado, a instalação de novas empresas e indústrias serão prejudicadas, o investimento logístico acaba também sendo afetado, fora que toda a produção rural. Para nós da Costa Doce mais pedágios significa menos desenvolvimento. Vamos lutar para que isso não aconteça", frisou o deputado.  

Durante as quase três horas que durou a audiência pública, lideranças políticas, empresariais e de trabalhadores manifestaram contrariedade ao projeto em curso. Os principais argumentos são que o modelo proposto onera a produção, prejudica os negócios existentes e afugenta novos empreendimentos na região. 

O Governo Municipal de Tapes seguirá com sua posição contrária a implantação de novas praças de pedágio, pois entende que isso desestimulará a economia, a geração de empregos e a atração de investimentos locais.

Um relatório com a síntese do debate ocorrido na audiência pública será encaminhado ao Ministério dos Transportes, à bancada federal gaúcha e a Agência Nacional de Transportes Terrestres, junto com um pedido para que a ANTT prorrogue o prazo de consultas públicas sobre a concessão.
 

Com informações da Agência de Notícia ALRS.

Seta
Versão do Sistema: 3.2.10 - 11/01/2023
Copyright Instar - 2006-2023. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia