Ir para o conteúdo

Prefeitura de Tapes e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura de Tapes
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAR
29
29 MAR 2022
SAÚDE
Vigilância epidemiológica monitora surgimento de casos de doença mão-pé-boca
enviar para um amigo
receba notícias

A Equipe da Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde de Tapes monitora ao menos cinco casos suspeitos da síndrome (ou doença)  mão-pé-boca registrados em crianças atendidas em uma única creche do município.

Conforme a coordenadora do setor de epidemiologia, Enfª Agnes Paula Mocelin, o surgimento de casos suspeitos da doença tem deixado a área da saúde em alerta, visto que apesar de apresentar pouca gravidade, a doença é muito contagiosa e incômoda para as crianças.

A infecção é mais comum em crianças de até cinco anos, embora também possa ocorrer em adultos. A transmissão ocorre através do contato direto entre as pessoas, contato com saliva, fezes e outras secreções, alimentos e objetos contaminados. As lesões de pele também transmitem a doença que é causada por vírus presente no sistema digestivo.

Os indivíduos infectados são mais contagiosos durante a primeira semana de doença, mas mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas.

A enfermeira Agnes destaca que os sintomas mais marcantes são as lesões em mãos, pés e boca e os primeiros sinais costumam ser a dor de garganta e febre.

Tratamento: o tratamento da síndrome mão-pé-boca é eminentemente sintomático e deve incluir todas as medidas utilizadas no tratamento de outras viroses: repouso, alimentação leve, ingestão aumentada de líquidos e medicamentos sintomáticos, como antitérmicos, anti-inflamatórios, anti-histamínicos, entre outros, caso seja necessário. O quadro clínico é autolimitado e geralmente melhora espontaneamente.

A Vigilância Epidemiológica de Tapes reforça que os familiares e responsáveis por crianças com a suspeita da doença devem comunicar a creche e não levar a criança para a instituição.

Recomendações para evitar a contaminação: 
- Manter uma boa higiene pessoal e do ambiente, lavando as mãos com frequência, principalmente após ir ao banheiro e antes de manusear alimentos.
- Descartar adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas. 
- Não compartilhar mamadeiras, talheres ou copos.
- Nas creches é preciso ter muito cuidado com a higiene das mãos após a troca de fraldas para que os profissionais não transmitam o vírus de uma criança para outra. 
- Afastar o doente do trabalho e escola até o desaparecimento dos sintomas.
- Lavar com água e sabão e desinfetar com solução de água sanitária diluída em água pura (uma colher de sopa de água sanitária diluída em quatro copos de água limpa) toda a superfície de objetos que possam entrar em contato com secreções e fezes dos doentes.
- Evitar, na medida do possível, o contato muito próximo com o paciente (como abraçar e beijar).
- Cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir.
- Trocar e lavar diariamente as roupas comuns e roupas de cama de doentes.

*As imagens utilizadas são meramente ilustrativas

Seta
Versão do Sistema: 3.2.5 - 03/08/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia